domingo, agosto 26, 2007

Fred d Lima - Noite di Sanjon



Que dizer desta exibição? Que a dança está no sangue dos cabo-verdeanos?
Que esta dança é executada na ilha do Sal durante as procissões na noite de São João, padroeiro dos pescadores.
Acho que não é preciso dizer nada.
Sentir esta música, este ritmo, ver, ouvir esta espiral de música que embriaga (com a ajuda do grogue*) é o suficiente.
É preciso observar, estar lá e depois ficar com sôdad, sôdad...(MR e AF)

* Aguardente de cana do açúcar.

Etiquetas: , ,

sábado, agosto 25, 2007

Salinas - Pedra de Lume - Ilha do Sal

Buraco aberto a picareta nos princípios do séc. XIX numa das paredes de uma cratera que está abaixo do nível do mar e que se vai enchendo com água do mar por infiltração.

Actualmente o sal retirado serve apenas a população de Cabo Verde mas tempos houve em que a sua exportação era enorme.

Etiquetas: ,

quarta-feira, agosto 22, 2007

Palmeira, Sal

Nô Stress

Etiquetas: , ,

sexta-feira, agosto 17, 2007

A roda "da" vida



A long time ago came a man on a track
Walking thirty miles with a pack on his back
And he put down his load where he thought it was the best
Made a home in the wilderness
He built a cabin and a winter store
And he ploughed up the ground by the cold lake shore
And the other travellers came riding down the track
And they never went further, no, they never went back
Then came the churches then came the schools
Then came the lawyers then came the rules
Then came the trains and the trucks with their loads
And the dirty old track was the telegraph road

Then came the mines - then came the ore
Then there was the hard times then there was a war
Telegraph sang a song about the world outside
Telegraph road got so deep and so wide
Like a rolling river. . .

And my radio says tonight its gonna freeze
People driving home from the factories
Theres six lanes of traffic
Three lanes moving slow. . .

I used to like to go to work but they shut it down
I got a right to go to work but theres no work here to be found
Yes and they say were gonna have to pay whats owed
Were gonna have to reap from some seed thats been sowed
And the birds up on the wires and the telegraph poles
They can always fly away from this rain and this cold
You can hear them singing out their telegraph code
All the way down the telegraph road

You know Id sooner forget but I remember those nights
When life was just a bet on a race between the lights
You had your head on my shoulder you had your hand in my hair
Now you act a little colder like you dont seem to care
But believe in me baby and Ill take you away
From out of this darkness and into the day
From these rivers of headlights these rivers of rain
From the anger that lives on the streets with these names
cos Ive run every red light on memory lane
Ive seen desperation explode into flames
And I dont want to see it again. . .

>from all of these signs saying sorry but were closed
All the way down the telegraph road

Etiquetas:

terça-feira, agosto 14, 2007

Intervalo para café

Esperamos contribuições dos mais novos.
Até já!

Magda e António

Etiquetas:

segunda-feira, agosto 13, 2007

Polónia - O Partido da Floresta

PolóniaCerto dia os animais da floresta decidiram formar um partido. E logo ali elegeram o lobo como presidente e decidiram que o problema mais importante a resolver era o dos excrementos espalhados por todo o lado. Assim, seria construida uma casa de banho para que todos usassem.
LoboA casa de banho foi construida e, durante uma semana, tudo pareceu correr bem. Mas eis que o lobo, na sua inspecção diária, ao sétimo dia verificou que o vidro da janela estava partido. Convocou imediatamente a Assembeia Geral do Partido da Floresta e perguntou quem tinha sido o responsável pelo ocorrido na casa de banho.
CoelhoAdiantou-se o coelho:
- Fui eu! Fui eu - exclamou.
O lobo - incrédulo - perguntou então:
- Explica lá, ó coelho, como conseguiste partir o vidro da janela que estava muito acima da tua altura?
- Eu estava todo divertido aos saltinhos perto da casa de banho quando o urso pegou em mim, limpou-se ao meu pêlo branco e atirou-me pela janela fora...
Urso- Urso! - interrompeu o lobo - Determino que procedas imediatamente à reparação da janela e que ponhas a casa de banho nas perfeitas condições em que se encontrava quando foi construida.
O urso assim fez e, durante mais uma semana, tudo pereceu regressar à normalidade.
Mas eis que, ao sétimo dia, na sua ronda diária de inspecção pela floresta, o lobo reparou que a casa de banho estava novamente com o vidro da janela partido. Convocou uma Assembleia Geral de emergência e, estando reunidos todos os animais, como membros do Partido da Floresta, voltou a colocar-lhes a mesma pergunta:
- Quem partiu o vidro da janela da casa de banho?
Adiantou-se novamente o coelho:
- Fui eu! Fui eu - exclamou.
- Outra vez tu? Explica lá, ó coelho como é que se passou isso desta vez - retorquio o lobo.
E o coelho foi dizendo:
- Eu estava aos saltinhos perto da casa de banho quando o urso pegou em mim, limpou-se ao meu pêlo branco e...
- Urso! Determino que repares imediatamente o vidro da janela da casa de banho e mais, se voltares a usar coelho para partires a o vidro, que sejas expulso do Partido da Floresta e também da floresta.
O urso reparou novamente o vidro partido e, durante uma semana, tudo parecia ter chegado finalmente à desejada normalidade.
Mas eis que, ao sétimo dia, na sua ronda diária pela floresta, o lobo descobriu que a casa de banho não só tinha o vidro da janela partido, como estava toda ela em cacos espalhados pelo chão, não sobrando uma viga em pé.
Convocada nova assembeia, foram questionados os membros do Partido sobre quem tinha sido o responsável pela destruição completa da casa de banho.
Porco-espinhoFui eu! Fui eu - adiantou o porco-espinho. Andava aos saltinhos perto da casa de banho...

Narrada por Jacek Nicz (obrigado, Jorge). Em itálico, os símbolos para que cada um encontre à sua vontade as realidades sociais retratadas.

Etiquetas: ,

Eugénio Rosa - As dívidas à Segurança Social

Eugenio RosaCaro (a) amigo (a)

O ministro do Trabalho Vieira da Silva tem afirmado que o combate do governo à evasão e à fraude contributiva à Segurança Social tem sido um êxito, que o governo tem conseguido cobrar elevado montante de dividas, e que a situação neste campo está a mudar.

Neste estudo, utilizando dados publicados pelo próprio Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, mostro que isso não é verdade, que em 2006 as remunerações não declaradas à Segurança Social atingiram 6.943 milhões de euros e que a receita perdida, devido a esse facto, alcançou
2.184,7 milhões de euros. Comparando a divida cobrada em 2006 com o aumento da divida declarada e não declarada em 2006, conclui-se que o cobrado representou apenas 8,7% do aumento da divida registado em 2006. O fracasso do combate do governo neste campo torna-se assim claro.

Espero que este estudo possa lhe possa ser útil.

Com consideração
Eugénio Rosa
Economista

Estudo: AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES
publicado por Eugénio Rosa em 5 de Julho de 2007

Etiquetas: , ,

domingo, agosto 12, 2007

Duo Ouro Negro - Iliza

Elisa

Iliza (Gomara Saia):


SomMediaFire
GravuraCapa do disco
Música de Angola
e Merengues

IEFÉ DISCOS - Sociedade Unipessoal, Lda

Etiquetas: , ,

Miguel Torga - 12 de Agosto 1907 - 17 de Janeiro de 1995

Miguel TorgaDe seu nome completo Adolfo Correia da Rocha, adoptou o pseudónimo de Miguel Torga porque "eu sou quem sou. Torga é uma planta transmontana, urze campestre, cor de vinho, com as raízes muito agarradas e duras, metidas entre as rochas. Assim como eu sou duro e tenho raízes em rochas duras, rígidas, Miguel Torga é um nome ibérico, característico da nossa península".


A morte

E o poeta morreu.
A sombra do cipreste pôde enfim
Abraçar o cipreste.
O torrão
Caiu desfeito ao chão
Da aventura celeste.

Nenhum tormento mais, nenhuma imagem
(No caixão, ninguém pode
Fantasiar).
Pronto para a viagem
De acabar.

Só no ouvido dos versos,
Onde a seiva não corre,
Uma rima perdura
A dizer com brandura
Que um Poeta não morre.

Miguel Torga

Fontes:Dados biográficos -Vidas Lusófonas
Poema -Miguel Torga, Antologia Poética
Dom Quixote,2001,Lisboa

Etiquetas: ,

sábado, agosto 11, 2007

Democracia segundo Ramos Horta

Ramos HortaRamos Horta, Presidente República de Timor-Leste, deve anunciar na segunda feira a indigitação de Xanana Gusmão para formar governo, apesar do partido ter ficado em segundo lugar nas recentes eleições legislativas.
Sem ter nomeado para o efeito Mari Alkatiri, leader do partido mais votados mas sem maioria absoluta - a Fretilin, Horta dá um péssimo sinal de respeito pela vontade popular. Dir-se-á que Alkatiri não conseguiria formar governo com maioria parlamentar. Isso deveria ser o próprio a constatar, depois da incumbência, e, mesmo assim, poderia propôr um governo minoritário como tantos há por esse mundo fora. Não. Horta decide só. Mesmo que Xanana tão só consiga formar uma "coligação negativa" contra a Fretilin.
Porque, no fundo, é isso que há muito tempo a Austrália, os americanos e uns emissários do governo português têm andado a fazer. Uns com a diplomacia, outros com a subversão interna que tem adiado o desejo de independência efectiva.

Publicado por António Abreu
em Antreu a 5 de Agosto de 2007

Etiquetas: , ,

Os meteoritos, as estrelas cadentes

Olá astrónomos-mirins.

Pela primeira vez das vossas vidas e depois de passarmos algum tempo , durante duas noites, conseguimos ver 5 estrelas cadentes.

Deitados em camas de campanha, bem tapadinhos por causa da brisa nocturna, de olhos bem abertos vimos planetas, estrelas, muitos aviões, alguns satélites e... adivinhe quem se lembrar!

- Estrelas cadentes! Com tamanhos, rastos de luz e direcções diferentes. Eh, eh...

Vocês já sabem que existem uma espécie de pedregulhos ( uns muito grandes, outros mais pequenos e outros ainda como se fossem areia ) que vagueiam para lá da atmosfera (o nosso ar que envolve a Terra como uma mantinha).

Ora, de vez em quando acontece eles roçarem ou mesmo entrarem dentro do nosso ar. Quando isso sucede gera-se calor, muito calor, tanto mais calor, quanto maior for a velocidade os pedregulhos e quanto mais ar houver!

- Sabem porquê? Porque raspam um no outro, o ar e a pedra.

- Se não acreditam, experimentem esfregar as vossas mãos uma na outra!

- Já o fizeram? Não ficaram quentes?

Pois é! O calor desenvolvido é tanto que dá para queimar essa pedras. Como as pedras não são feitas todas do mesmo material as cores que se vão ver, por elas arderem, serão ligeiramente diferentes. Eu digo pouco diferentes porque há muitas cores que se misturam e nós vemos normalmente o rasto das poeiras ardidas com cores semelhantes.

-"Então e não caem nas nossas cabeças?"
- Geralmente não, porque conforme vão ardendo vão-se transformando em cinzas, vão-se partindo em pedras mais pequeninas que ardem também e o que cai são essas cinzas (pó) que não magoam os nossos cocurutos!
No entanto, se a pedra é muito, muito grande, chega cá abaixo, mas isso já é mais raro.

Nós vimos poucos meteoritos e pequenos. Pareciam estrelas e, por isso, damos-lhes o nome de estrelas e cadentes porque caem.

Ora, quando consegui vir a casa fui logo ao YouTube e procurei imagens reais de meteoritos.

Escolhi a que vocês podem observar e reparem com o pedregulho se vai partido e ardendo conforme cai. Podem ainda ver lá outros!

Espero que gostem e não se esqueçam que o mês de Agosto é o melhor para se observarem estrelas cadentes! Isso tem a ver com a posição da Terra no espaço, nesta altura do ano!

Desejo que explorem todas as oportunidades que tiverem para verem as tais estrelinhas que correm, correm, não sabem bem para onde, mesmo sem os avós por perto!

Beijocas, muitas!



from: amdil


18 de Novembro de 2006

Etiquetas:

sexta-feira, agosto 10, 2007

As previsões de Karl Marx


Na imagem, a evolução recente da dívida externa dos EUA mostra em que medida este país tem vivido acima das suas possibilidades. Desde o ano passado que Europe 2020 vinha chamando a atenção para a eminência da crise global do sistema financeiro, identificando a origem no sector imobiliário nos EUA. Hoje parecem ter-se realizado as piores perspectivas. Os investidores entraram em histeria de resgate dos seus investimentos, os bancos credores parecem acometidos de pressa em salvarem o possível dos seus créditos malparados, os bancos emissores entraram em histeria de fabrico de dinheiro para sossegarem os bancos credores e para que estes sosseguem os nervosos investidores em fase de desinvestimento. A emissão de moeda à bruta acarretará a inflacção a médio prazo, colocando toda a pressão nos últimos elos da cadeia, os que pagam dívidas à banca, e assim prossegue a espiral de desconrolo geral.(AF)


Fonte: La Fed perd le contrôle...
publicado por Europe 2020,
número especial de Verão de 2007

Etiquetas:


hits: