sábado, setembro 27, 2008

Um insulto aos contribuintes

A iniciativa do Ministério da Educação, ou melhor do Primeiro-ministro, porque é quem se tem mais erguido na sua imposição, de pagar a internet móvel aos coitadinhos dos estudantes que já gastaram os seus parcos recursos na aquisição do telemóvel que é proibido nas escolas, constitui um autêntico insulto, não digo aos professores, porque eles estão ao corrente do que se passa, mas um insulto à ignorância da população que se esforça para pagar os seus impostos.
Técnicamente, a aquisição da internet móvel juntamente com cada computador portátil, não tem mais lógica do que a aquisição de um contador de electricidade para alimentar o mesmo computador.
Se o aluno já dispõe de contador de electricidade em casa e na escola, afinal onde é que se pretende que ele utilize o seu portátil? Só se for nalgum ambiente onde nem os encarregados de educação, nem os professores possam assistir aos conteúdos que ele pretende frequentar.
Porque a chamada banda larga, que o Primeiro-ministro não se cansa de apregoar aos quatro ventos com uma petulância de quem sabe que os seus ouvintes ignoram, a banda larga é acima de tudo isso mesmo, é a capacidade de poder ligar tantos computadores à mesma assinatura, quantos os portáteis que o mesmo quadro de electricidade pode suportar.
E as operadoras, essas perante a iniciativa do governo, não só ficam dispensadas de ser elas a explicar aos contribuintes o que é a banda larga, como ainda se dão ao luxo de embrulhar o portátil no mesmo pacote, tudo isso à custa da ignorância daqueles que ainda se vão deixando embalar na cantiga do choque tecnológico.

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home


hits: