quarta-feira, março 25, 2009

Ana Monteiro - Porque escolhi este poema

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim, em cada lago a Lua toda
Brilha, porque alto vive.
Ricardo Reis



Eu escolhi este poema de Ricardo Reis por três motivos:
Primeiro: o poema expressa uma máxima a que eu aspiro – “Se tiveres que fazer algo, fá-lo bem feito.” – pois quando se faz algo, por mais pequeno ou insignificante que seja, por nós, pelos outros, quer gostemos ou nao, ficamos bem com nós próprios e orgulhosos, mesmo que ninguém repare ou elogie, porque temos a certeza de que o fizemos bem e é isso que conta.
O segundo motivo pelo qual escolhi este poema foi devido ao facto de ele nos mostrar que devemos procurar exceder sempre as nossas expectativas e a dos outros, porque a vida é o nós fazemos dela e o nosso futuro está sempre a mudar a cada pequena decisão que tomamos. Já que estamos neste mundo, por que não “rock it out with style?!” (não sei se podemos escrever em inglês, mas não sabia como expressar isto em português.)
E, por último, mas não menos importante, o facto de este poema possuir uma complexidade sintática, o que o torna interessante para mim, pois eu gosto de procurar o singnificado das coisas. A complexidade deste poema encontra-se na sua sintaxe, pois é clássica, latina e muito diferente daquela que estudámos em Alberto Caeiro. Este poema apresenta uma sintaxe latina, como já referi, com a frequente inversão da ordem lógica, favorecendo o ritmo das suas (Ricardo Reis) ideias disciplinadas.

Ana Monteiro, 12ºA Começar o ano... em grande!, 6 de Janeiro de 2009




Amigo Leitor

Deseja entregar-se ao poder encantatório das palavras? Então não deixe de visitar este one of a kind blog feito numa escola de Barcelos:

No Limiar das Palavras

onde, no dizer da professora que o criou, escrever não é um acto inútil. Inútil é calar-se.

(AF)

Etiquetas: , ,

2 Comentários:

At 11:02, Blogger João disse...

Um belo poema de Ricardo Reis. Já agora, acrescentava a incitação que faz à originalidade e autenticidade: "[...]Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes[...]"
Uma lição de vida em 6 linhas.

Abraço.

 
At 21:01, Blogger António Chaves Ferrão disse...

Benvindo, João
O blog indicado tem muitos mais motivos de interesse
Obrigado pela visita
Abraço

 

Enviar um comentário

<< Home


hits: