quinta-feira, abril 16, 2009

Carlos Drumond de Andrade - Mãos dadas

Carlos Drumond de Andrade



Não serei o poeta de um mundo caduco.

Também não cantarei o mundo futuro.

Estou preso à vida e olho meus companheiros.

Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.

Entre eles, considero a enorme realidade.

O presente é tão grande, não nos afastemos.

Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,

não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,

não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,

não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.

O tempo é a minha matéria, do tempo presente, os homens [presentes,

a vida presente.



(Carlos Drummond de Andrade, Sentimento do mundo.)



pOr trÁs dAs LeTraS

Etiquetas: ,

2 Comentários:

At 10:17, Blogger Ana Camarra disse...

Carlos Drumond de Andrade é um poeta poderoso.
Me gusta mucho.
Para me dar arrepios na nuca é ele o Neruda e o Lorca....

Muito Bom

Beijos

 
At 10:28, Blogger António Chaves Ferrão disse...

Olá Ana
Tentarei encontrar algo do Lorca.
beijos

 

Enviar um comentário

<< Home


hits: