sexta-feira, janeiro 16, 2009

Ana Camarra - Vamos dar a volta a isto?

No quadro de crise que se apresenta ao país, surgem já sintomas graves, desde o abandono de idosos em Hospitais, a abandono de crianças, ao aumento não noticiado do consumo de anti depressivos, ao previsível aumento da fome, á necessidade de assumpção de medidas de emergência como a colocação de tendas e distribuição de alimentos quentes vocacionadas para os sem abrigo.

Isto é real!

Real também a esperada vaga de emigrantes de regresso ao país, emigrantes que irão voltar ao constatar o desemprego nos países onde se fixaram, voltaram esses e os seus filhos, para um país sem condições de sustentabilidade.

A destruição do sector produtivo do país, a privatização de sectores estratégicos, o desmantelamento da Agricultura e Pescas, a degradação da Saúde com a privatização parcelar do Serviço Nacional de Saúde, a descredibilização da Justiça, o ataque ao sector da Educação, os investimentos megalómanos, a utilização de dinheiros públicos na especulação dos mercados financeiros bem como as injecções de capital público na Banca Privada, levam-nos a uma situação social e económica catastrófica.

Mas não é preciso ser assim!

Ainda vamos a tempo, de reactivar sectores produtivos, de desenvolver a agricultura e pescas, de preconizar medidas de facto fundamentais para a recuperação económica e social, de tributar grandes fortunas e lucros fabulosos de alguns sectores, de recuar nas medidas aplicadas na Educação, na Justiça e na Saúde que se tem revelado injustas e alvo de grande contestação popular, de proteger o emprego e o trabalho como consagrado na Constituição, de estancar a sangria de dinheiros públicos, de promover um desenvolvimento sustentável e equilibrado para Portugal e os Portugueses.

Respeitando as especificidades regionais, as potencialidades do país e os seus recursos, físicos, estratégicos e humanos.
Vamos dar a volta a isto?!


Ana Camarra, É possível, 15 de Janeiro de 2008

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home


hits: